segunda-feira, 16 de abril de 2018

2016 Vintage Port: the prelude to a classic declaration

EN/PT


    In the present decade and after the celebrated last great Vintage Port classic declaration, the broadest ever, still after the promissing 2015 harvest in which there was a great enthusiasm among the Douro producers and when everything seemed to indicate a classic vintage year, that turned out not to be, now in the beginning of April 2018, the second spring after the 2016 harvest, all points to a Vintage Port classic year, the first vintage declarations and informations of this year are made public by some of the main groups of the sector.

    Sogevinus, and its Port brands, Barros, Burmester, Calém and Kopke, in a difficult and challenging year, presents its vintage Ports with a great structure, robust, concentrated and intense, when compared with the previous 2015 vintage, which qualifies them as a safe value, with great character and an enormous ageing capacity.

    Sogrape, declares 2016 vintage for Porto Ferreira, Offley and Sandeman. Luís Sottomayor, the house winemaker,  points out the classic character and the "robustness and structure" of the 2016 vintage, with "complexity levels, color and structure absolutly exceptional, with tannis present, and a vintage perfect to evolve in the bottle for many years.".

    The Symington Family Estates Vintage Ports, featuring Graham's, Dow's, Warre's, Cockburn's, Graham's "The Stone Terraces", Quinta do Vesúvio, Capela da Quinta do Vesúvio, Quinta de Roriz and Smith Woodhouse. In general, it emphasizes the exceptionalities of these vintages, with fine tannis and an intense and extraordinary color, an impressive structure and balance, with baumés, acidity, tannis and color in a rare and perfect alignment.

    Quinta do Noval and the iconic Quinta do Noval Vintage Nacional, refers to the exceptional quality of this year's vintage, which it considers to be balanced and fresh, with intense fruit, and very aromatic and expressive. They are exceptional vintage ports with and excellent structure.

    Other Douro producers had already declared their vintages, such as Quinta do Javali, Quinta de S. José and Vasques de Carvalho.

    Let's remember that 2016 was a very difficult and demanding year, with a very rainy winter and rain that lasted until May. Then in June, July and August, there were very high temperatures and with little thermal amplitude, a very hot and dry summer until September. In  the conditions described, there was a need for a permanent vineyard and grape maturation monitoring. The rain of mid-September ended up favouring the rebalancing and the grape recovery. Harvesting at the end of September and the beginning of October, eventually compensated, obtaining better balance, maturation and grape quality. The knowledge of the vineyards and of the specific conditions of each parcel were really decisive.

    While we wait for the following vintage declarations, it's always an occasion to celebrate the second vintage Port classic declaration this decade, with a glass of Port, of course!

Porto Vintage 2016: o prelúdio de uma declaração clássica

    Na presente década e depois da última e muito celebrada grande declaração clássica de Porto vintage, em 2011, a declaração mais alargada de sempre, ainda depois da promissora colheita do ano de 2015, em que houve um grande entusiasmo entre os produtores e em que tudo parecia indicar que seria o seguinte ano clássico para o Porto vintage, que acabou por não acontecer, agora com o início de Abril de 2018, na segunda primavera após a colheita de 2016, tudo aponta para um ano de Porto vintage clássico. Chegam-nos as primeiras declarações e informações do vintage deste ano, por alguns dos principais grupos do sector.

    A Sogevinus com as marcas de vinho do Porto, Barros, Burmester, Calém e Kopke, num ano difícil e particularmente desafiante, apresenta os seus vintage como vinhos com muita estrutura, robustos, concentrados e intensos, quando comparados com os vintage de 2015, qualificando-os ainda de valores seguros, com muito carácter e com enorme potencial de envelhecimento.

    A Sogrape declara o vintage 2016 para os vinhos do Porto, Ferreira, Offley e Sandeman. Luís Sottomayor, o enólogo responsável da Sogrape, assinala o carácter clássico e a "robustez e estrutura" dos vinhos do Porto da colheita de 2016, "com níveis de complexidade, côr e estrutura, absolutamente excepcionais, com taninos presentes, perfeitos para evoluirem na garrafa durante muitos anos.":

    A Symington Family Estates, com os vintages Graham's, Dow's, Warre's, Cockburn's, Graham's "The Stone Terraces", Quinta do Vesúvio, Capela da Quinta do Vesúvio, Quinta de Roriz e Smith Woodhouse. Em geral, destaca-se a excepcionalidade destes vintages, com taninos finos e côr intensa e extraordinária, com estrutura e equilíbrio impressionantes, com baumés, acidez, taninos e côr num raro e perfeito alinhamento.

    A Quinta do Noval e o icónico Quinta do Noval Vintage Nacional, refere a excepcional qualidade dos vintage deste ano, que considera equilibrados e frescos, com fruta intensa, muito aromáticos e expressivos. São vinhos excepcionais e com uma excelente estrutura.

    Outros produtores engarrafadores do Douro haviam já assumido esta declaração, como é o caso da Quinta do Javali, Quinta de S. José e Vasques de Carvalho.

    Relembremos que 2016 foi um ano incaracterístico, difícil e muito exigente, com um inverno muito chuvoso e com a chuva a prolongar-se até Maio. Depois os meses de Junho, Julho e Agosto, com temperaturas muito altas e com pouca amplitude térmica, um verão muito seco até Setembro. Nestas condições houve necessidade de um acompanhamento diário e permanente das vinhas e da maturação das uvas. A chuva de meados de Setembro, acabou por favorecer o reequilíbrio e a recuperação das uvas. A vindima do final de Setembro e início de Outubro, acabou por compensar os que tomaram esta decisão, com uvas com melhor equilíbrio, melhor maturação e qualidade. Foi realmente decisivo o conhecimento da vinha e das condições específicas de cada parcela de terreno.

    Enquanto aguardamos asdeclarações que se seguem, é sempre uma ocasião especial e para celebrar mais um vintage clássico, o segundo nesta década, com um copo de Porto, claro!

©HSM


Também pode interessar:     May also interest:






segunda-feira, 9 de abril de 2018

Still on the IVDP guarantee seal models for the "Porto" Protected Denomination of Origin (2.)

EN/PT


    Back on the subject of the IVDP Port wine guarantee seals, to update and complete the information of the previous publication. So, we currently have the following alternative required models in Port wine bottles:

    Starting with the new IVDP seal model, applied on the back label or on the back of the bottle;

    De volta ao assunto dos modelos de selos de garantia do IVDP para a Denominação de Origem Prtegida "Porto", para actualizar e completar a informação da publicação anterior. Temos então, actualmente, obrigatóriamente nas garrafas de vinho do Porto, os seguintes modelos alternativos:

    Começando pelo novo modelo, aplicado no contra-rótulo da garrafa;

    Then, the traditional IVDP seal models, of which we wrote about already in the previous publication, that are placed on the bottleneck, vertically, covering the cork or the capsule that covers the cork of the bottle;

    Depois, temos os selos tradicionais que, como já vimos na publicação anterior, são aplicados no gargalo da garrafa, no sentido vertical, cobrindo a rolha ou a cápsula da garrafa;

                         






According the / de acordo com o Despacho 1928/2018, de 22 de Fevereiro de 2018, do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, I.P.

©HSM

terça-feira, 13 de março de 2018

The traditional IVDP "Porto" denomination of origin guarantee seal (1.)

EN/PT
 
   
    "The warranty seal issued by the IVDP was created in 1941, and made mandatory for all bottled and marketed Port wine, as of 1st October 1942. The guarantee seal is made of paper, has a running number and the IVDP emblem, being placed on the bottleneck in a vertical direction, covering the cork.". (in "Dicionário Ilustrado do Vinho do Porto, by Manuel Poças Pintão e Carlos Cabral)

    From last 9th February 2018 onwards, it is no longer compulsory to place the classic IVDP guarantee seal (also known, in a literal translation as "horseman seal") in Port wine bottles.

    To this date, that paper seal with the running number and the IVDP logo printed, was placed vertically in the Port wine bottle neck, covering the cork, passing under or over the capsule that covers the cork, in such a way that it is disabled when the bottle is opened. From now on, it can also appear on the bottle back label (as in the bottles of DOC "Douro" table wines).

     The traditional procedure of affixing the guarantee seal is optional and it is a decision of the producer or bottler to put the traditional seal or not.

    Obviously, in any case, the rule only refers to the bottle sealing procedure, since Port wine can only be marketed by displaying on the bottles the respective seal of guarantee, aproved and issued previously by the technical services of the IVDP - Douro and Port Wine Institute, which is always mandatory. The guarantee seals are numbered sequentially, to allow an adequate control of its use.
    The warranty seal is a distinctive sign certifying the authenticity of Port wine, so if the bottle does not have the IVDP seal of guarantee, it is not Port wine.
    In conclusion, the continuity of this classic element of the traditional aesthetics of Port wine bottles is from now on an option of the producer.


O Tradicional selo de garantia do IVDP na denominação de origem «Porto»



    "O selo de garantia editado pelo IVDP, foi criado em 1941 e tornado obrigatório para todo o vinho do Porto engarrafado e comercializado a partir de 1 de Outubro de 1942. O selo de garantia é de papel, tem um número corrido e o emblema do IVDP, sendo colocado no gargalo da garrafa, no sentido vertical, cobrindo a rolha." (in "Diccionário Ilustrado do Vinho do Porto", de Manuel Poças Pintão e Carlos Cabral).

    A partir do passado dia 9 de Fevereiro de 2018, deixou de ser obrigatória a colocação dos clássicos selos de garantia (assim como da cápsula-selo) do IVDP, nas garrafas de vinho do Porto, também conhecidos como «selo à cavaleiro», na denominação de origem «Porto».

    Até, esta data, o selo de papel com o número corrido e o emblema do IVDP, era colocado no gargalo da garrafa, no sentido vertical, cobrindo a rolha, passando sob ou sobre a cápsula que cobre a rolha, aposto de modo a que fique inutilizado quando se proceda à abertura da garrafa. A partir de agora o selo de garantia pode também aparecer no contra-rótulo da garrafa (tal com acontece nas garrafas de vinho DOC «Douro»).

    A partir de agora, este modo de aposição do selo ou procedimento de selagem é facultativo, sendo uma decisão do produtor ou do engarrafador a sua aposição do modo tradicional ou não.

    Obviamente que esta nova norma se refere apenas e só ao procedimento de aposição do selo, uma vez que, o vinho do Porto só pode ser engarrafado e comercializado exibindo nas garrafas o correspondente selo de garantia, aprovado e emitido préviamente pelos serviços técnicos do IVDP, I.P. - Instituto dos Vinhos do Douro e Porto, que é sempre obrigatório. Os selos de garantia são emitidos com uma numeração sequêncial para permitirem o adequado controlo da sua utilização.

    Este selo de garantia é um sinal distintivo que certifica a autenticidade do vinho do Porto. Se a garrafa não tiver selo de garantia não é vinho do Porto.

    Assim, a continuidade deste elemento clássico da estética tradicional das garrafas de vinho do Porto, é agora uma opção dos produtores.




©HSM





terça-feira, 6 de março de 2018

15 years of "Essência do Vinho" and 6 years of "Simplesmente Vinho"


    In February it was like this in Porto: 15 Years of "Essência do Vinho" and 6 years of "Simplesmente Vinho" in its 2018 editions.
    For four days the "Palácio da Bolsa" became the "Palace of Wine", and on the other hand, on the same weekend and not far away, the "Simplesmente Vinho", started six years ago and happens every year in the Casa do Cais Novo, an eighteenth century building which was also at that time a wine warehouse.
    These two events are always unmissable opportunities to broaden our wine knowledge to new wines, to taste a great diversity of diferent wines and try to extend our personal sensory file, also to taste the new vintages of wines already known and the new proposals from the wine producers, and of course to meet the producers themselves or the representatives of each wine house.

    Just a glance, some photos from this side, without comments, from this year's EV edition...


    Em Fevereiro, foi assim, no Porto: 15 anos de "Essência do Vinho" e 6 de "Simplesmente Vinho", nas suas edições de 2018.
    Por quatro dias, o "Palácio da Bolsa" transformou-se no "Palácio do Vinho" e, por outro lado, no mesmo fim de semana, não muito distante, o "Simplesmente Vinho" acontece todos os anos no edifício setecentista da Casa do Cais Novo.
    São duas oportunidades, sempre imperdíveis, para alargar o nosso conhecimento pessoal a novos vinhos, diferentes, provar uma grande diversidade de vinhos e aumentar o nosso arquivo sensorial pessoal, experimentar também as novas colheitas de vinhos já conhecidos e claro, conhecer os próprios produtores ou os representantes de cada casa.

    Apenas um relance, algumas fotografias do lado de cá, da edição da EV deste ano...









©HSM

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Blackett & Ca., Lda.

Short facts about the city of wine (1)

     Blackett & Ca., Lda, was an exporting Port wine company founded in 1912 and whose offices were located in rua Nova da Alfândega, n.º 22, in the city of Porto (picture above), and with its Port wine warehouses on the other side of the river, on the left bank of the river Douro, on rua Dr. António Granjo, in Vila Nova de Gaia.

     Currently, the Port wines with the "Blackett" label are produced and marketed by "Alchemy Wines, Port Wines & Vineyerds, Lda.", the company that owns the brand today.

Blackett & Ca., Lda
Factos breves sobre a cidade do vinho (1)

     A "Blackett & Ca., Lda." foi uma empresa exportadora de vinho do Porto, fundad no ano de 1912, e cujos escritórios, em 1934, estavam localizados na rua Nova da Alfândega, n.º 22 (fotografia supra) e com os seus armazéns de vinhos, na outra margem do rio Douro, na rua Dr. António Granjo, em Vila Nova de Gaia.

     Actualmente, os vinhos do Porto com a marca "Blackett" são produzidos e comercializados pela empresa "Alchemy Wines, Port Wines & Vineyards, Lda.", que é detentora da marca.

©HSM







segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

The 2015 Vintage Port

EN/PT


    2015, a prodigal year that gave birth to exceptional Vintages, which we have already noticed here (see: 2015 a classic vintage port?).
    Nevertheless although a year with all the necessary conditions that made predict a classic Vintage Port year and a generalized consensus of the producing Houses, this did not happen after all. This year will laways be marked by this resolution difficult to perceive, especially by the weight of the decisions of the major groups in the sector (Sogevinus, Sogrape, Symington Family Estates and Fladgate Partnership) although other medium and small producers presented many of their Vintages with their main brands (as a classic Vintage declaration) and not as a Single Quinta Vintage Port, a proof of the exceptional quality recognition of the Vintage Port produced.

    There are also some first editions to be highlighted, such as the Port Vintages, "Mapa", "Noble & Murat" and "Proibido", always welcome to the attentive enthusiasts who accompany the world of Port wine news.
     Still a reference to the Vintages "Barão de Vilar" and "Maynard's", who presented for the first time organic Port Vintages, made from organic grapes and with organic spirit used in the fortification process (it is intended to better preserve the wine aromas).

    The list of the 2015 Vintages produced is as follows:
  • Alves de Sousa Porto Vintage 2015 (Alves de Sousa, Douro & Port Wines, Quinta da Gaivosa)
  • Barão de Vilar 2015 Vintage Port (Barão de Vilar, Vinhos, S.A.)
  • Bulas Porto Vintage 2015 (José Afonso Moreno B. Cruz, M. Gabriel M. B. Cruz)
  • Borges 2015 Vintage Port (Sociedade dos Vinhos Borges, S.A.)
  • Burmester Quinta de Arnozelo Vintage Porto 2015 (J. W. Burmester & Ca., Lda. - Sogevinus Fine Wines, S. A.)
  • Calém Vintage Porto 2015 (Sogevinus Fine Wines, S.A.)
  • Churchill's Quinta da Gricha Vintage Porto 2015 (Churchills Graham, Lda.)
  • Cockburn's 2015 Bicentenary Vintage Port (Symington Family Estates, Vinhos, S.A.)
  • Croft 2015 Quinta da Roêda Vintage Port (Fladgate Partnership, Quinta & Vineyard Bottlers, S.A.)
  • Cruz Porto Vintage 2015 (Gran Cruz Porto, Sociedade Comercial de Vinhos, Lda.)
  • Dalva 2015 Vintage Porto (C. da Silva, Vinhos, S.A.)
  • Dow's 2015 Quinta Senhora da Ribeira Vintage Port (Symington Family Estates, Vinhos, S.A.)
  • Duorum 2015 Vintage Port (Duorum, Vinhos, S.A.)
  • Ferreira 2015 Vintage Quinta do Porto (Sogrape Vinhos, S.A.)
  • Feuerheerd's 2015 Vintage Port (Barão de Vilar, Vinhos, S.A.)
  • Fonseca Guimaraens 2015 Vintage Port (Fladgate Partnership, Quinta & Vineyard Bottlers, S.A.)
  • Graham's The Stone Terraces 2015 Vintage Port (Symington Family Estates, Vinhos, S.A.)
  • Kopke Quinta de São Luíz Vintage 2015 Porto (Sogevinus Fine Wines, S.A.)
  • Magalhães 2015 Vintage Port (Sociedade da Casa Agrícola da Quinta do Silval, S.A.)
  • Mapa Vintage 2015 Port (Pedro Mário Batista Garcias)
  • Maynard's Vintage 2015 Port (Barão de Vilar, Vinhos, S.A.)
  • Niepoort Porto Vintage 2015 (Niepoort Vinhos, S.A.)
  • Niepoort 2015 Bioma Vinha Velha Vintage (Niepoort Vinhos, S.A.)
  • Noble & Murat 2015 Vintage Port (Noble & Murat, Lda.)
  • Pintas Porto Vintage 2015 (Wine & Soul, Lda.)
  • Poças Vintage 2015 Vintage Port (Manuel D. Poças Júnior, S.A.)
  • Proibido Vintage 2015 Port (Márcio Lopes Winemakes, Vinilourenço, Unip., Lda.)
  • Quevedo Quinta Vale D'Agodinho Porto Vintage 2015 (Vinhos Óscar Quevedo, Lda.)
  • Quinta da Côrte Vintage Port 2015 (Pacheco & Irmão, Lda.)
  • Quinta da Gaivosa Vintage Port 2015 (Alves de Sousa, Douro & Port Wines, Quinta da Gaivosa)
  • Quinta da Romaneira Vintage Port 2015 (Sociedade Agrícola da Romaneira, S.A.)
  • Quinta das Carvalhas 2015 Vintage Porto (Real Companhia Velha)
  • Quinta das Lamelas Vintage 2015 Porto (José António da Fonseca Augusto Guedes, Lda.)
  • Quinta de la Rosa Vintage Port 2015 (Quinta da Rosa, Vinhos, S.A.)
  • Quinta de Ventozelo Porto Vintage 2015 (Quinta de Ventozelo, Sociedade Agrícola Comercial, S.A.)
  • Quinta do Crasto 2015 Vintage Porto (Quinta do Crasto, S.A.)
  • Quinta do Grifo Vintage 2015 Porto (Rozès, S.A.)
  • Quinta do Javali 2015 Vintage Port (Sociedade Agrícola Quinta do Javali, Lda.)
  • Quinta do Noval 2015 Vintage Porto (Quinta do Noval, Vinhos, S.A.)
  • Quinta do Pégo Vintage Porto 2015 (Quinta do Pégo)
  • Quinta do Tedo Porto Vintage 2015 (Vincent Bouchard)
  • Quinta do Tedo Porto Vintage 2015 Savedra (Vincent Bouchard)
  • Quinta do Vale Meão Vintage Port 2015 (F. Olazabal & Filhos, Lda.)
  • Quinta do Vesúvio 2015 Vintage Port (Sociedade Agrícola da Quinta do Vesúvio, Lda.)
  • Quinta dos Murças 2015 Vintage Porto (Empresa Esporão, S.A.)
  • Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo Vintage Porto 2015 (Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, S.A.)
  • Quinta Santa Eufémia Porto Vintage 2015 (Sociedade Vitivinícola da Quinta de Santa Eufêmia, Lda.)
  • Quinta Seara D'Ordens Vintage 2015 Porto (Sociedade Agrícola Quinta Seara D'Ordens, Lda.)
  • Quinta Vale D. Maria 2015 Vintage Porto (Lemos & Van Zeller, Lda.)
  • Ramos Pinto Porto Vintage 2015 (Adriano Ramos Pinto - Vinhos, S.A.)
  • Rozès Vintage 2015 Porto (Rozès, S.A.)
  • Sandeman Quinta do Seixo Vintage Porto 2015 (Sogrape, Vinhos, S.A.)
  • Taylor's Vargellas Vintage Port 2015 (Fladgate Partnership, Quinta & Vineyard Bottlers)
  • Vallado Adelaide Vintage Port 2015 (Quinta do Vallado, Sociedade Agrícola, Lda.)
  • Vasques de Carvalho 2015 Vintage Porto (Vasques de Carvalho, Sociedade Agrícola, Lda.)
  • Vieira de Sousa Porto Vintage 2015 (Vieira de Sousa, Vines & Wines, Lda.)
  • Vista Alegre Vintage 2015 Porto (Vallegre, Vinhos do Porto, S.A.)
  • VZ 2015 Vintage Port (Lemos & Van Zeller, Lda.)
    (Note: At the date of this publication, Quinta do Portal did not yet gave a definitive answer as to the 2015 Vintage Port production confirmation. The  Vintage Ports of this house are "Portal Port Vintage" and the Single Quinta "Quinta dos Muros Porto Vintage").

O Porto Vintage 2015


     2015, um ano pródigo que deu origem a Vintages excepcionais, de que aqui já demos conta em publicação anterior (ver: 2015, ano vintage clássico?).
    Todavia, apesar de um ano com todas as condições que faziam prevêr um ano de Porto Vintage clássico e um consenso generalizado da maioria das Casas produtoras, tal não se concretizou. Este ano será sempre marcado por esta incógnita, sobretudo pelo peso das decisões dos grandes grupos produtores de vinho do Porto (Sogevinus, Sogrape, Symington Family Estes e Fladgate Partnership), apesar de outros, médios e pequenos produtores, apresentarem os seus vintages com a marca principal da Casa e não como Single Quinta Vintage Port ou Vintage de Quinta, prova do reconhecimento da excepcionalidade e alta qualidade do vintage produzido.

    Neste ano destacam-se também algumas novidades, primeiras edições, como os Porto Vintage "Mapa", Noble & Murat" e "Proibido", sempre bem vindas para os apreciadores entusiastas que acompanham estes novos lançamentos e o mundo do vinho do Porto. De referir ainda, os Vintages "Barão de Vilar" e "Maynard's", do produtor Barão de Vilar, que lançam pela primeira vez Vintages orgânicos, feitos a partir de uvas biológicas e a utilizando aguardente biológica na fortificação (com a finalidade de uma maior preservação dos aromas).

(Nota: A Quinta do Portal, à data da presente publicação não tinha ainda dados definitivos e não confirmou a produção ou declaração do Vintage 2015. Os Porto Vintage desta Casa são "Portal Porto Vintage" e o vintage de quinta "Portal Quinta dos Muros Porto Vintage").


(Rev.03/2018)
©HSM


    

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Noble & Murat

EN/PT

An historical Port wine brand reborn, 
back to business.

    A Port wine export company founded in 1831, one of the export companies that marked the Port wine history wiht great activity until the end of the XIX century. (in "Illustrated Port Wine Dictionary", by Manuel Pintão and Carlos Cabral).

    The Noble & Murat reborn, an old historical Port wine brand, now acquired by the partners Alexandre Antas Botelho and António Borges Taveira, which just began its activity in June 2012.
    In fact, it's only apparently that can be called the most recent Port wine company in the sector, since both partners of Noble & Murat, Lda., are descendants of families long associated with this activity, with old records in the export and shipment of Douro wines through the river Douro dating back to the 16th century. Both families participated in some of the best wines that most prestigious Port wine companies bottled until 2004, the year in which the supply ended and when a decision was required, on the end of the activity, with which they had always been profoundly related, or find a solution to preserve and keep this rich heritage.

    Thus, in 2012, once the difficult legal requirements for the production of Port wine have been overcome, including the existence and maintenance of a considerable minimum stock (of 150,000 liters or aprx. 300 wine casks), which is always a major obstacle to starting the activity, made the good decision to initiate this new project, focused exclusively on the production of high quality Port wines, keeping alive a vast heritage of knowledge and experience and the long family tradition handed down from generation to generation.
    For this purpose, Noble & Murat, with its winery located in Celeirós do Douro, Sabrosa, does not seek to value a particular property or a particular vineyard, but rather a selected set of 6 very old vineyard plots, some century old vineyards with the best locations in the Pinhão area (sub region of Cima Corgo), some of which are located in Vale de Mendiz and Vale do Tedo, which in turn are the origin of the grapes that are traditionally vinified and foot trodden in granit lagares with a high ratio man per cask in the winery (with a minimum of two persons per cask of wine), which is already a rarity these days worthy of mention. The choice of the right vineyards, the careful selection of the grapes and the precision of the individualized vinification processes are characteristics that identify and define this Port wine House.
The vineyards
    The uniqueness of this project is also due to the winemaking process, which is unique and always determined for Port wine production of vintage quality, from the choice and selection of the grapes to the vinification techniques adopted and practiced. If the year is unmistakably a "vintage year", after the declaration, a part of the wine produced is bottled as vintage Port. The remaining wine is bottled as the L.B.V. Port (Late Bottled Vintage) of the House, which also happens in those years in which there is no vintage declaration. That is to say that the Noble & Murat LBV Port is literally a vintage Port, bottled two years latter.

    At this initial stage of the company, the next problem was the brand choice to identify the wines that were to be produced. Until then, the wines produced by the families of both partners were bottled with the brands of the companies they supplied. However, a brand was needed that reflected the image and the effective quality and credibility that their wines enjoyed in the sector. Thus, the opportunity arose to revine "Noble & Murat", one of the Port wine historic companies.

    The company aims to reach out to the expert connoisseur and the current N & M portfolio already has the Noble & Murat LBV Porto 2012, a traditional style LBV, unfiltered, serious, reminiscent of a vintage Port, along with the best ones produced in this category of Port wine.
    Very soon the Noble & Murat vintage Port 2015 (6,600 bottles), will be available, very well considered by the specialized critics and wine publications, with very good rankings among several recognized vintage Ports produced by other main firms (it will be available in the portuguese market at the end of November 2017). In Noble & Murat future plans is also the production of a 20 year old Tawny Port and a Ruby Reserve.
    The export markets are obviously a destination for these wines, to France, U.S.A., Luxembourg and Denmark.

    For a convenient presentation, let us now travel briefly through the long history of this brand, closely following the description of António Barros Cardoso, in his book "Baco & Hermes". Firstly the curiosity of being attributed to one of the partners of this company the oldest reference to the use of the term "Late Bottled Vintage", which reinforces the affinity with this new project, since the Noble & Murat LBV is intended to be a reference in this style of Port wine.

    Noble & Murat was a pioneer firm in the Port trade as one of the first english companies in the sector. "This firm had its origins in the activity of one of the oldest english merchants that settled in the city of Porto around the wine business. It was Timothy Harris, whose presence in the city dates back to the end of the XVII century.".

    Timothy Harris, who was one of the pioneers in the Port wine trade (1698), declared wines in the Porto "Imposition", from 1700 to 1713, of which he exported an annual average of 669,5 wine casks. The remaining founding partners of this firm, who were succeeding those who were leaving the company, are also among the most active traders of their time, as can be seen by the average number of casks declared in their names in the "Imposition" and the years to which these records refer: Joseph Murat in the period from 1719 to 1731 has registered an annual average of 202 casks and whose offspring remained, since its entry, linked to the destinations of the firm until its dissolution. William Harris who, in the period from 1720 to 1728, presented an annual average of 861 casks; John Page who presented in the period from 1729 to 1756, an annual average of 445 casks; Birquid Pratt that in the period from 1730 to 1735 negotiated an annual average of 677 casks.

    We cannot fail to mention the name of Charles Henry Noble, a prominent figure in the trade and in the city of Porto, whose name was an integral part of the company's name from its entry into the firm. He was arrested , tried and deported for having encouraged the revolt in Porto against the absolutists, which was shown to be an act of courage that could have cost him his life, when friends toasted his health said of him "Noble by name and noble by nature".

    The company shares its origins and some of the partners who have integrated it with other Port wine historic companies such as Quarles Harris through Timothy and William Harris, Velloso & Tait o Stormonth & Tait. Its founders and its various members, who formed part of its corporate designation played prominent roles in the Porto english community, as well as in the town itself, having family ties with some of the historical families of the sector, such as the Warre's and the Tait's.

    We can have a good idea of the members succession through the changes that have taken place in the social denomination:
  • Started as  "Timothy Harris", from 1700 to 1713;
  • The business name changed in 1723 to "Harris, Page & Pratt";
  • "Page & Pratt", in 1729;
  • "John Page", in 1730;
  • "John Page & Son", in 1754;
  • "John & Charles Page & Co.", in 1760;
  • "Page, Campion & Co.", in 1761;
  • "Charles Page", in 1771;
  • "Page & Co.", in 1800;
  • "Page, Noble & Co.", in 1802;
  • Having adopted the designation "C H Noble & Murat", in 1831.
    (in "Oporto Old and New", by Charles Sellers, 1899).

    "C H Noble & Murat" had a considerable size having a vast worldwide business network and, like all british firms of the time, the so called "old guard", it was a generalist company (a general trader): no doubt that the main product exported was wine, however, there were also many other products that constituted its commercial activity, such as oranges and salt, and imported dried codfish (form England or Newfoundland, in present day Canada), textiles, iron and glass, only later and due to the historical and political changes and also the trade itself, began to specialize and began to focus exclusively on Port wine.".

    To another of the members of this firm, Geofrey Murat Tait, great great grandson of Joseph Murat, is attributed one of the first references made to what was at the time a still unknown style of Port wine, the Late Bottled Vintage or L.B.V. Port.
    It is also worth mentioning, that this firm had strong commercial interests in Newfoundland, having one of its basic trade product, the import of codfish from this region, being one of the leading companies in the trade of this product, competing with the rival company "Hunt, Roope & Co.", being mentioned by the partners of this firm as "The Neighbours".

Noble & Murat, Lda.
mob.: +351 96 327 42 50
twobandt@gmail.com
www.noblemurat.com (soon available)

Our thanks to Noble & Murat for all the information and collaboration provided, as well as the authorization to use some of the images published.

©HSM



Noble & Murat

O renascer de uma marca histórica
    Firma exportadora de vinho do Porto fundada em 1831, uma das firmas exportadoras que marcaram a história do vinho do Porto e com grande actividade até final do século XIX. (in "Diccionário Ilustrado do Vinho do Porto", de Manuel Pintão e Carlos Cabral).

    O renascer da Noble & Murat, uma antiga e histórica marca de vinho do Porto, que foi agora adquirida pelos sócios Alexandre Antas Botelho e António Borges Taveira e que iniciou a sua actividade em Junho de 2012.

    Na realidade, apenas aparentemente a firma de vinho do Porto mais recente do sector, uma vez que ambos os sócias da Noble & Murat, Lda., são descendentes de famílias há muito ligadas a esta actividade, com registos antigos na exportação e embarque de vinhos do Douro através da barra do rio Douro, que remontam ao séc. XVI. Ambas as famílias participaram em alguns dos melhores vinhos que as melhores empresas de vinho do Porto engarrafaram até 2004, ano em que este fornecimento terminou e em que se impunha uma decisão, ou deixar cair a actividade com a qual sempre tinham estado intimamente relacionados, ou encontrar uma solução que preservasse e mantivesse vivo este património.

    Assim, no ano de 2012, cumpridos os difíceis requisitos legais para a produção de vinho do Porto, entre os quais a existência e manutenção de um stock minímo (150.000 litros, cerca de 300 pipas), que constitui sempre um obstáculo, muitas vezes insuperável, para o início de actividade, em boa hora decidiram arrancar com este novo projecto, centrado exclusivamente na produção de vinhos do Porto de grande qualidade, mantendo vivo um vasto património de conhecimentos e experiência, com uma longa tradição familiar transmitida de geração em geração.
    Para isso, a Noble & Murat, com adega localizada em Celeirós do Douro, Sabrosa, não procura valorizar uma determinada propriedade ou vinha particular, mas antes um conjunto seleccionado de 6 parcelas de vinhas muito velhas, centenárias, com as melhores localizações, na zona do Pinhão, sub-região do Cima Corgo (3 das quais estão localizadas na zona de Vale de Mendiz e Vale do Tedo), que são a origem das uvas que depois são vinificadas tradicionalmente e com recurso exclusivo à pisa a pé em lagares de granito e com um elevado rácio homem/pipa no lagar, processo que é já uma raridade nos dias de hoje. A escolha das vinhas certas, o cuidado na selecção da matéria prima e a precisão dos processos de vinificação individualizados, são características que definem esta Casa.

    A singularidade deste projecto destaca-se também pelo pelo processo de vinificação, que é único e sempre determinado para a produção de vinho do Porto de qualidade vintage, desde a escolha e selecção das uvas até às técnicas de vinificação praticadas. Se o ano é inequivocamente um ano com qualidade "vintage", após a declaração, uma parte do vinho é efectivamente engarrafada como Porto vintage. O restante vinho é engarrafado como L.B.V. (Late Bottled Vintage), o que acontece também naqueles anos em que não é produzido "vintage". O que equivale a dizer que o Porto LBV da Noble & Murat é literalmente um Porto vintage, engarrafado dois anos mais tarde.

    Nesta fase inicial, o seguinte problema a considerar foi a escolha de uma marca para a identificação dos vinhos. Até então, os vinhos das familías de ambos os sócios eram engarrafados e comercializados com as marcas das firmas inglesas que forneciam e que os compravam. Porém, era agora necessário uma marca que traduzisse a imagem, credibilidade e qualidade que os seus vinhos gozavam no sector. Foi assim que surgiu a oportunidade de fazer renascer a Noble & Murat, uma das históricas firmas de vinho do Porto.

    Tendo como alvo o consumidor ou apreciador especializado, no portfolio actual desta Casa, conta-se já com o lançamento do Noble & Murat Porto LBV 2012, um L.B.V. tradicional, não filtrado, sério, a fazer lembrar um Porto vintage a par do melhor que temos neste estilo de vinho do Porto.
    Em breve, o Noble & Murat Vintage Port 2015 (foram produzidas 6,600 garrafas), muito bem considerado pela critica especializada, com boas classificações entre vários dos melhores vintages deste ano (estará disponível no mercado nacional no final de Novembro). Ainda, nos planos da N&M está a produção de uma Tawny 20 anos e de um Ruby Reserva.
    Os mercados de exportação são obviamente um dos destinos destes vinhos, França, E.U.A., Luxemburgo e Dinamarca. 
Noble & Murat Porto LBV 2012
    Para uma conveniente apresentação, viajemos brevemente pela longa história desta marca, acompanhando de perto a descrição de António Barros Cardoso, no seu livro "Baco & Hermes". Desde logo, a curiosidade de ser atribuída a um dos sócios desta firma a mais antiga referência à utilização do termo "late bottled vintage", o que reforça também a afinidade com este novo projecto, uma vez que o Porto L.B.V. da Noble & Murat pretende ser uma referência neste estilo.

    A Noble & Murat foi uma firma pioneira no comércio dos vinhos do Porto, como uma das primeiras firmas inglesas do sector.
    "Esta firma teve a sua origem na actividade de um dos mais antigos mercadores ingleses que se fixou na cidade do Porto em torno do negócio dos vinhos. Trata-se de Timothy Harris, cuja presença na cidade remonta a finais do séc. XVII."

    Timothy Harris, que foi um dos pioneiros no trato do vinho do Porto (1698), manifestou vinhos na "Imposição" do Porto no período de 1700 a 1713, dos quais exportou uma média anual de 669,5 pipas. Os restantes sócios fundadores, que se foram sucedendo aos que iam deixando a firma, contam-se também entre os mais activos comerciantes do seu tempo, como se pode verificar pela média de pipas manifestadas nos seus nomes na "Imposição" e os anos a que esses registos se reportam: Joseph Murat, que no período de 1719 a 1731 deixou registada uma média anual de 202 pipas e cuja descendência ficou, desde a sua entrada, ligada aos destinos da firma, até à sua dissolução. William Harris que, no período de 1720 a 1728, apresentou uma média anual de 861 pipas; John Page que apresentou, no período de 1729 a 1756, uma média anual de 445 pipas; Birquid Pratt que, no período de 1730 a 1735, negociou uma média anual de 677 pipas.

    Não podemos ainda deixar de referir o nome de Charles Henry Noble, uma figura com destaque no comércio e na cidade do Porto e, cujo nome foi parte integrante da denominação da firma a partir da sua entrada na sociedade. Ele foi preso, julgado e deportado por ter incentivado à revolta contra os absolutistas no Porto, o que ficou demonstrado como sendo um acto de coragem que lhe podia ter custado a vida, os amigos brindavam à sua saúde dizendo a seu respeito "Noble by name and noble by nature.".

    Esta firma partilha também as suas origens e alguns dos sócios que a integraram, com outras ilustres marcas de vinho do Porto, como a Quarles Harris, através de William e Timothy Harris, a Velloso & Tait ou a Stormonth & Tait. Os seus fundadores e os vários sócios que a constituíram e que fizeram parte da sua razão social, ocuparam papéis de destaque na comunidade britânica da cidade, assim como na própria praça portuense, tendo ligações familiares com algumas famílias históricas do sector, como os Warre e os Tait.

    Podemos ter uma boa imagem da sucessão de sócios, através da sucessivas alterações na denominação social, ao longo da história da firma:

  • Começou como "Timothy Harris", de 1700 a 1713;
  • Em 1723, a razão social mudou para "Harris, Page & Pratt";
  • "Page & Pratt", em 1729;
  • "John Page" em 1730;
  • "John Page & Son", em 1754;
  • "John & Charles Page & Co.", em 1760;
  • "Page, Campion & Co.", em 1761;
  • "Charles Page" em 1771;
  • "Page & Co." em 1800;
  • "Page, Noble & Co.", em 1802;
  • Tendo adoptado a denominação "C H Noble & Murat" em 1831.
    (in "Oporto Old & New", by Charles Sellers, 1899).

    A "C H Noble & Murat", alcançou uma dimensão considerável tendo uma vasta rede de negócios à escala mundial e, tal como todas as firmas inglesas desta época, da chamada "old guard", era uma firma generalista (general trader), que se dedicava ao comércio geral: sem dúvida que o principal produto exportado era o vinho, no entanto, existiam também muitos outros produtos que constituíam a sua actividade comercial, como laranjas e sal e a importação de bacalhau seco (de Inglaterra ou da Terra Nova, no actual Canadá), tecidos, ferro e vidro, só mais tarde e em consequência das alterações histórico-políticas e do próprio comércio, começaram a especializar-se e a centrar a sua actividade exclusivamente no vinho do Porto.

    A outro dos sócios desta firma, Geoffrey Murat Tait, trisneto de Joseph Murat, é atribuída uma das primeiras referências ao que era na altura um tipo ainda desconhecido de vinho do Porto, o Late Bottled Vintage ou L.B.V..
    Cabe ainda referir que esta companhia tinha fortes interesses na Terra Nova, tendo um dos seus pontos basilares de comércio na importação de bacalhau desta proveniência, sendo uma das empresas líderes no comércio deste produto, disputando a liderança com a firma rival "Hunt, Roope & Co.", sendo mencionada pelos sócios desta firma como "The Neighbours".

Noble & Murat, Lda.
telm.: +351 96 327 42 50
twobandt@gmail.com
www.noblemurat.com (brevemente disponível)

Os nossos agradecimentos à Noble & Murat, por toda a informação e colaboração prestada, assim como pela autorização para a utilização das imagens publicadas.



©HSM