terça-feira, 28 de novembro de 2017

Noble & Murat

EN/PT

An historical Port wine brand reborn, 
back to business.

    A Port wine export company founded in 1831, one of the export companies that marked the Port wine history wiht great activity until the end of the XIX century. (in "Illustrated Port Wine Dictionary", by Manuel Pintão and Carlos Cabral).

    The Noble & Murat reborn, an old historical Port wine brand, now acquired by the partners Alexandre Antas Botelho and António Borges Taveira, which just began its activity in June 2012.
    In fact, it's only apparently that can be called the most recent Port wine company in the sector, since both partners of Noble & Murat, Lda., are descendants of families long associated with this activity, with old records in the export and shipment of Douro wines through the river Douro dating back to the 16th century. Both families participated in some of the best wines that most prestigious Port wine companies bottled until 2004, the year in which the supply ended and when a decision was required, on the end of the activity, with which they had always been profoundly related, or find a solution to preserve and keep this rich heritage.

    Thus, in 2012, once the difficult legal requirements for the production of Port wine have been overcome, including the existence and maintenance of a considerable minimum stock (of 150,000 liters or aprx. 300 wine casks), which is always a major obstacle to starting the activity, made the good decision to initiate this new project, focused exclusively on the production of high quality Port wines, keeping alive a vast heritage of knowledge and experience and the long family tradition handed down from generation to generation.
    For this purpose, Noble & Murat, with its winery located in Celeirós do Douro, Sabrosa, does not seek to value a particular property or a particular vineyard, but rather a selected set of 6 very old vineyard plots, some century old vineyards with the best locations in the Pinhão area (sub region of Cima Corgo), some of which are located in Vale de Mendiz and Vale do Tedo, which in turn are the origin of the grapes that are traditionally vinified and foot trodden in granit lagares with a high ratio man per cask in the winery (with a minimum of two persons per cask of wine), which is already a rarity these days worthy of mention. The choice of the right vineyards, the careful selection of the grapes and the precision of the individualized vinification processes are characteristics that identify and define this Port wine House.
The vineyards
    The uniqueness of this project is also due to the winemaking process, which is unique and always determined for Port wine production of vintage quality, from the choice and selection of the grapes to the vinification techniques adopted and practiced. If the year is unmistakably a "vintage year", after the declaration, a part of the wine produced is bottled as vintage Port. The remaining wine is bottled as the L.B.V. Port (Late Bottled Vintage) of the House, which also happens in those years in which there is no vintage declaration. That is to say that the Noble & Murat LBV Port is literally a vintage Port, bottled two years latter.

    At this initial stage of the company, the next problem was the brand choice to identify the wines that were to be produced. Until then, the wines produced by the families of both partners were bottled with the brands of the companies they supplied. However, a brand was needed that reflected the image and the effective quality and credibility that their wines enjoyed in the sector. Thus, the opportunity arose to revine "Noble & Murat", one of the Port wine historic companies.

    The company aims to reach out to the expert connoisseur and the current N & M portfolio already has the Noble & Murat LBV Porto 2012, a traditional style LBV, unfiltered, serious, reminiscent of a vintage Port, along with the best ones produced in this category of Port wine.
    Very soon the Noble & Murat vintage Port 2015 (6,600 bottles), will be available, very well considered by the specialized critics and wine publications, with very good rankings among several recognized vintage Ports produced by other main firms (it will be available in the portuguese market at the end of November 2017). In Noble & Murat future plans is also the production of a 20 year old Tawny Port and a Ruby Reserve.
    The export markets are obviously a destination for these wines, to France, U.S.A., Luxembourg and Denmark.

    For a convenient presentation, let us now travel briefly through the long history of this brand, closely following the description of António Barros Cardoso, in his book "Baco & Hermes". Firstly the curiosity of being attributed to one of the partners of this company the oldest reference to the use of the term "Late Bottled Vintage", which reinforces the affinity with this new project, since the Noble & Murat LBV is intended to be a reference in this style of Port wine.

    Noble & Murat was a pioneer firm in the Port trade as one of the first english companies in the sector. "This firm had its origins in the activity of one of the oldest english merchants that settled in the city of Porto around the wine business. It was Timothy Harris, whose presence in the city dates back to the end of the XVII century.".

    Timothy Harris, who was one of the pioneers in the Port wine trade (1698), declared wines in the Porto "Imposition", from 1700 to 1713, of which he exported an annual average of 669,5 wine casks. The remaining founding partners of this firm, who were succeeding those who were leaving the company, are also among the most active traders of their time, as can be seen by the average number of casks declared in their names in the "Imposition" and the years to which these records refer: Joseph Murat in the period from 1719 to 1731 has registered an annual average of 202 casks and whose offspring remained, since its entry, linked to the destinations of the firm until its dissolution. William Harris who, in the period from 1720 to 1728, presented an annual average of 861 casks; John Page who presented in the period from 1729 to 1756, an annual average of 445 casks; Birquid Pratt that in the period from 1730 to 1735 negotiated an annual average of 677 casks.

    We cannot fail to mention the name of Charles Henry Noble, a prominent figure in the trade and in the city of Porto, whose name was an integral part of the company's name from its entry into the firm. He was arrested , tried and deported for having encouraged the revolt in Porto against the absolutists, which was shown to be an act of courage that could have cost him his life, when friends toasted his health said of him "Noble by name and noble by nature".

    The company shares its origins and some of the partners who have integrated it with other Port wine historic companies such as Quarles Harris through Timothy and William Harris, Velloso & Tait o Stormonth & Tait. Its founders and its various members, who formed part of its corporate designation played prominent roles in the Porto english community, as well as in the town itself, having family ties with some of the historical families of the sector, such as the Warre's and the Tait's.

    We can have a good idea of the members succession through the changes that have taken place in the social denomination:
  • Started as  "Timothy Harris", from 1700 to 1713;
  • The business name changed in 1723 to "Harris, Page & Pratt";
  • "Page & Pratt", in 1729;
  • "John Page", in 1730;
  • "John Page & Son", in 1754;
  • "John & Charles Page & Co.", in 1760;
  • "Page, Campion & Co.", in 1761;
  • "Charles Page", in 1771;
  • "Page & Co.", in 1800;
  • "Page, Noble & Co.", in 1802;
  • Having adopted the designation "C H Noble & Murat", in 1831.
    (in "Oporto Old and New", by Charles Sellers, 1899).

    "C H Noble & Murat" had a considerable size having a vast worldwide business network and, like all british firms of the time, the so called "old guard", it was a generalist company (a general trader): no doubt that the main product exported was wine, however, there were also many other products that constituted its commercial activity, such as oranges and salt, and imported dried codfish (form England or Newfoundland, in present day Canada), textiles, iron and glass, only later and due to the historical and political changes and also the trade itself, began to specialize and began to focus exclusively on Port wine.".

    To another of the members of this firm, Geofrey Murat Tait, great great grandson of Joseph Murat, is attributed one of the first references made to what was at the time a still unknown style of Port wine, the Late Bottled Vintage or L.B.V. Port.
    It is also worth mentioning, that this firm had strong commercial interests in Newfoundland, having one of its basic trade product, the import of codfish from this region, being one of the leading companies in the trade of this product, competing with the rival company "Hunt, Roope & Co.", being mentioned by the partners of this firm as "The Neighbours".

Noble & Murat, Lda.
mob.: +351 96 327 42 50
twobandt@gmail.com
www.noblemurat.com (soon available)

Our thanks to Noble & Murat for all the information and collaboration provided, as well as the authorization to use some of the images published.

©HSM



Noble & Murat

O renascer de uma marca histórica
    Firma exportadora de vinho do Porto fundada em 1831, uma das firmas exportadoras que marcaram a história do vinho do Porto e com grande actividade até final do século XIX. (in "Diccionário Ilustrado do Vinho do Porto", de Manuel Pintão e Carlos Cabral).

    O renascer da Noble & Murat, uma antiga e histórica marca de vinho do Porto, que foi agora adquirida pelos sócios Alexandre Antas Botelho e António Borges Taveira e que iniciou a sua actividade em Junho de 2012.

    Na realidade, apenas aparentemente a firma de vinho do Porto mais recente do sector, uma vez que ambos os sócias da Noble & Murat, Lda., são descendentes de famílias há muito ligadas a esta actividade, com registos antigos na exportação e embarque de vinhos do Douro através da barra do rio Douro, que remontam ao séc. XVI. Ambas as famílias participaram em alguns dos melhores vinhos que as melhores empresas de vinho do Porto engarrafaram até 2004, ano em que este fornecimento terminou e em que se impunha uma decisão, ou deixar cair a actividade com a qual sempre tinham estado intimamente relacionados, ou encontrar uma solução que preservasse e mantivesse vivo este património.

    Assim, no ano de 2012, cumpridos os difíceis requisitos legais para a produção de vinho do Porto, entre os quais a existência e manutenção de um stock minímo (150.000 litros, cerca de 300 pipas), que constitui sempre um obstáculo, muitas vezes insuperável, para o início de actividade, em boa hora decidiram arrancar com este novo projecto, centrado exclusivamente na produção de vinhos do Porto de grande qualidade, mantendo vivo um vasto património de conhecimentos e experiência, com uma longa tradição familiar transmitida de geração em geração.
    Para isso, a Noble & Murat, com adega localizada em Celeirós do Douro, Sabrosa, não procura valorizar uma determinada propriedade ou vinha particular, mas antes um conjunto seleccionado de 6 parcelas de vinhas muito velhas, centenárias, com as melhores localizações, na zona do Pinhão, sub-região do Cima Corgo (3 das quais estão localizadas na zona de Vale de Mendiz e Vale do Tedo), que são a origem das uvas que depois são vinificadas tradicionalmente e com recurso exclusivo à pisa a pé em lagares de granito e com um elevado rácio homem/pipa no lagar, processo que é já uma raridade nos dias de hoje. A escolha das vinhas certas, o cuidado na selecção da matéria prima e a precisão dos processos de vinificação individualizados, são características que definem esta Casa.

    A singularidade deste projecto destaca-se também pelo pelo processo de vinificação, que é único e sempre determinado para a produção de vinho do Porto de qualidade vintage, desde a escolha e selecção das uvas até às técnicas de vinificação praticadas. Se o ano é inequivocamente um ano com qualidade "vintage", após a declaração, uma parte do vinho é efectivamente engarrafada como Porto vintage. O restante vinho é engarrafado como L.B.V. (Late Bottled Vintage), o que acontece também naqueles anos em que não é produzido "vintage". O que equivale a dizer que o Porto LBV da Noble & Murat é literalmente um Porto vintage, engarrafado dois anos mais tarde.

    Nesta fase inicial, o seguinte problema a considerar foi a escolha de uma marca para a identificação dos vinhos. Até então, os vinhos das familías de ambos os sócios eram engarrafados e comercializados com as marcas das firmas inglesas que forneciam e que os compravam. Porém, era agora necessário uma marca que traduzisse a imagem, credibilidade e qualidade que os seus vinhos gozavam no sector. Foi assim que surgiu a oportunidade de fazer renascer a Noble & Murat, uma das históricas firmas de vinho do Porto.

    Tendo como alvo o consumidor ou apreciador especializado, no portfolio actual desta Casa, conta-se já com o lançamento do Noble & Murat Porto LBV 2012, um L.B.V. tradicional, não filtrado, sério, a fazer lembrar um Porto vintage a par do melhor que temos neste estilo de vinho do Porto.
    Em breve, o Noble & Murat Vintage Port 2015 (foram produzidas 6,600 garrafas), muito bem considerado pela critica especializada, com boas classificações entre vários dos melhores vintages deste ano (estará disponível no mercado nacional no final de Novembro). Ainda, nos planos da N&M está a produção de uma Tawny 20 anos e de um Ruby Reserva.
    Os mercados de exportação são obviamente um dos destinos destes vinhos, França, E.U.A., Luxemburgo e Dinamarca. 
Noble & Murat Porto LBV 2012
    Para uma conveniente apresentação, viajemos brevemente pela longa história desta marca, acompanhando de perto a descrição de António Barros Cardoso, no seu livro "Baco & Hermes". Desde logo, a curiosidade de ser atribuída a um dos sócios desta firma a mais antiga referência à utilização do termo "late bottled vintage", o que reforça também a afinidade com este novo projecto, uma vez que o Porto L.B.V. da Noble & Murat pretende ser uma referência neste estilo.

    A Noble & Murat foi uma firma pioneira no comércio dos vinhos do Porto, como uma das primeiras firmas inglesas do sector.
    "Esta firma teve a sua origem na actividade de um dos mais antigos mercadores ingleses que se fixou na cidade do Porto em torno do negócio dos vinhos. Trata-se de Timothy Harris, cuja presença na cidade remonta a finais do séc. XVII."

    Timothy Harris, que foi um dos pioneiros no trato do vinho do Porto (1698), manifestou vinhos na "Imposição" do Porto no período de 1700 a 1713, dos quais exportou uma média anual de 669,5 pipas. Os restantes sócios fundadores, que se foram sucedendo aos que iam deixando a firma, contam-se também entre os mais activos comerciantes do seu tempo, como se pode verificar pela média de pipas manifestadas nos seus nomes na "Imposição" e os anos a que esses registos se reportam: Joseph Murat, que no período de 1719 a 1731 deixou registada uma média anual de 202 pipas e cuja descendência ficou, desde a sua entrada, ligada aos destinos da firma, até à sua dissolução. William Harris que, no período de 1720 a 1728, apresentou uma média anual de 861 pipas; John Page que apresentou, no período de 1729 a 1756, uma média anual de 445 pipas; Birquid Pratt que, no período de 1730 a 1735, negociou uma média anual de 677 pipas.

    Não podemos ainda deixar de referir o nome de Charles Henry Noble, uma figura com destaque no comércio e na cidade do Porto e, cujo nome foi parte integrante da denominação da firma a partir da sua entrada na sociedade. Ele foi preso, julgado e deportado por ter incentivado à revolta contra os absolutistas no Porto, o que ficou demonstrado como sendo um acto de coragem que lhe podia ter custado a vida, os amigos brindavam à sua saúde dizendo a seu respeito "Noble by name and noble by nature.".

    Esta firma partilha também as suas origens e alguns dos sócios que a integraram, com outras ilustres marcas de vinho do Porto, como a Quarles Harris, através de William e Timothy Harris, a Velloso & Tait ou a Stormonth & Tait. Os seus fundadores e os vários sócios que a constituíram e que fizeram parte da sua razão social, ocuparam papéis de destaque na comunidade britânica da cidade, assim como na própria praça portuense, tendo ligações familiares com algumas famílias históricas do sector, como os Warre e os Tait.

    Podemos ter uma boa imagem da sucessão de sócios, através da sucessivas alterações na denominação social, ao longo da história da firma:

  • Começou como "Timothy Harris", de 1700 a 1713;
  • Em 1723, a razão social mudou para "Harris, Page & Pratt";
  • "Page & Pratt", em 1729;
  • "John Page" em 1730;
  • "John Page & Son", em 1754;
  • "John & Charles Page & Co.", em 1760;
  • "Page, Campion & Co.", em 1761;
  • "Charles Page" em 1771;
  • "Page & Co." em 1800;
  • "Page, Noble & Co.", em 1802;
  • Tendo adoptado a denominação "C H Noble & Murat" em 1831.
    (in "Oporto Old & New", by Charles Sellers, 1899).

    A "C H Noble & Murat", alcançou uma dimensão considerável tendo uma vasta rede de negócios à escala mundial e, tal como todas as firmas inglesas desta época, da chamada "old guard", era uma firma generalista (general trader), que se dedicava ao comércio geral: sem dúvida que o principal produto exportado era o vinho, no entanto, existiam também muitos outros produtos que constituíam a sua actividade comercial, como laranjas e sal e a importação de bacalhau seco (de Inglaterra ou da Terra Nova, no actual Canadá), tecidos, ferro e vidro, só mais tarde e em consequência das alterações histórico-políticas e do próprio comércio, começaram a especializar-se e a centrar a sua actividade exclusivamente no vinho do Porto.

    A outro dos sócios desta firma, Geoffrey Murat Tait, trisneto de Joseph Murat, é atribuída uma das primeiras referências ao que era na altura um tipo ainda desconhecido de vinho do Porto, o Late Bottled Vintage ou L.B.V..
    Cabe ainda referir que esta companhia tinha fortes interesses na Terra Nova, tendo um dos seus pontos basilares de comércio na importação de bacalhau desta proveniência, sendo uma das empresas líderes no comércio deste produto, disputando a liderança com a firma rival "Hunt, Roope & Co.", sendo mencionada pelos sócios desta firma como "The Neighbours".

Noble & Murat, Lda.
telm.: +351 96 327 42 50
twobandt@gmail.com
www.noblemurat.com (brevemente disponível)

Os nossos agradecimentos à Noble & Murat, por toda a informação e colaboração prestada, assim como pela autorização para a utilização das imagens publicadas.



©HSM








sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Douro: the 2017 harvest report



Quinta da Gricha, Ervedosa do Douro (Churchill's)


    A very hot and dry year in which the harvest was anticipated to a date that there is no memory in the Douro.

    "It is the climate that dictates the world's wines", "the influence of the climate of the year is decisive in the vintage quality", in the words of António Magalhães, head of viticulture at the Fladgate Partnership. The meteorological factors throughout the year have a direct influence on the grape development, production and quality, particularly decisive in the last months of maturation. And, of course, understanding the wine year is also fundamental to understand the wines that are born each year.

    In fact, if we were to define in a sentence the wine year now ending, it would be an extremely hot and dry year and a very early harvest.

    Let us then look a bit more in detail at the main moments and the climatiic behavior throughout the year.

    The winter was dry and there was no rainfall, there was a volume of prcipitation above normal, but only in November 2016, because in the following months there was a very marked decrease in the volume of precipitation compared  to the Douro region normal, in between 50 and 80% in December and between 60 and 70% in January 2017.

    Early spring confirmed a very dry winter, much drier than usual, and these conditions continued in the following months. In fact, in spring the awakening of the vines (which maintain a minimal metabolism throughout the winter) occurred in dry weather conditions and very little rainfall.

    In March precipitation levels were about half as usual and in April there was almost no rainfall at all (it was the driest April since we have records in 1931, the rainfall levels were lower than normal values, between 72 and 96%), but now also with a considerable increase in average temperatures as from February and with heat waves in the months of April, May and June. It should be noted that in May there was some meteorological instability, downpours and thunderstorms, which coincided with the critical phase of the vine flowering(2).

    Early summer continued with very high temperatures and several days at a time of very hot weather. The month of June was dry, very hot from the middle of the month and with temperatures of aroud 40º C in Peso da Régua, Pinhão, São João da Pesqueira and Vila Nova de Foz Côa.

    In July, heavy rains and hail fall occured, causing vineyard damage in Sabrosa, Alijó, Mesão Frio, Vila Real, Santa Marta de Penaguião and Vila Pouca de Aguiar. A summer storm in which hail and bad weather caused considerable damage to the vineyards with considerable losses in the hardest hit areas.

    However, the general conditions of water absence and heat, which have remained, also add up to fairly high radiation levels.
     On the other hand, in the vineyard diseases chapter, the positive side of the climatic conditions described so far was that did not favoured vineyard diseases (namely mildew and powdery mildew), with vines generally with a very low incidence or even without diseases and healthy grapes.

    Now considering the vineyard development, there was a water deficit at the beginning of the vegetative cycle and water stress throughout spring that develop to a severe (thermal and luminous) water deficit in mid-August that lasted until the beginning of the harvest. Of course, in these situations is also very important the vineyard location, the vineyards located in plots or drier terrain (in Cima Corgo and Douro Superior sub regions), lower or more exposed to radiation ot younger vines suffered more intensely.

    These conditions led to an advence of the grapevine development cycle, bud-break(1) occured in the first half of March, the flowering(2) began at the end of April and until the end of May, with the formation of the grape bunches already visible at the end of May, the veraison beginning at the end of June.

    The continuation of warm weather during the ripening period led to an advancement of the vine vegetative cycle, fast ripening of the grapes, an accelerated increase in sugar concentration in a short period and dehydration of the grape bunches (and an indrease of the dry garpes percentage) which led to the decision taken by many producers to anticipate  the harvest in about 3 weeks to what is usual in the region, one of the earliest harvests in many years.

    From the beginning of August until the middle of the month, the white grapes were harvested.
    The weather remained extremely dry and with high temperatures throughout the harvest period, without rain. September was the driest of the las 87 years . The severe and extreme drought area was enlarged. 

    From the middle of September until the end of the third week, the harvest was almost complete in many Quintas. We could almost say that the harvest was completed by the time it were usually starting.
    It is also important to note the different degrees of the grape bunches and garpe berries maturation, from plot to plot and from vine to vine and even in the same grape bunch, which forced more work and more detail in the grape harvesting and also decision making according to maturation levels and parcels to be harvested.

    There was a general reduction in production in the three Douro sub-regions, when compared to the 2016 harvest, approximatly 21% in the Baixo-Corgo, 27% in Cima-Corgo and 49% in the Upper Douro. Also important, the Kg./L ratio is lower by about 20% than normal values.

    Lastly, in general, the harvest antecipation, produced musts with very high alcoholic strenght, of very good quality, with good color, structure and concentration indications.

Notes:
(1)Bud break:marks the beginning of the vegetative cycle of the vine, with the emergence of the shoots.
(2)Flowering: a period that lasts about a week and a half, important and critical for the definition of the harvest, since if there is rain in this period the flowers may fall and the pollen can be washed from the stamens and flowers, there s no pollination and the fertilisation and flower does not give rise to fruit and the harvest is affected.
(3)Veraison: marks the beginning of maturation in which the graps began to change color.




©HSM

Douro: the 2016 harvest report 
Douro: the 2015 harvest report 
Douro: the 2014 harvest report







quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Douro, o relatório da vindima 2017



Quinta da Gricha, Ervedosa do Douro (Churchill's)


    Um ano muito quente e seco em que a vindima foi antecipada para datas de que não há memória no Douro.



    "É o clima que dita os vinhos do mundo", "a influência do clima do ano é marcante para a qualidade da vindima", nas palavras de António Magalhães, responsável de viticultura da Fladgate Partnership. Os factores meteorológicos ao longo do ano têm uma influência directa no desenvolvimento, produção e qualidade das uvas, particularmente decisiva nos últimos meses de maturação. E compreender o ano vitícola é também essêncial para compreender os vinhos que nascem em cada ano.



    Na realidade, se tivéssemos que definir numa frase o ano vitícola que agora acaba de terminar, seria um ano extremamente quente e seco e uma vindima muito precoce.

    Vejamos então um pouco mais em detalhe os principais momentos e o comportamento climático ao longo do ano.
    O Inverno foi seco e sem chuva. Registou-se um volume de precipitação superior ao normal, mas apenas no mês de Novembro de 2016, porque nos meses seguintes houve um decréscimo muito acentuado no volume da precipitação relativamente aos valores normais para a região, em números, aproximadamente entre 50 a 80 % menos em Dezembro de 2016 e entre 60 a 70% menos em Janeiro de 2017.

    O início da Primavera veio confirmar um inverno muito seco, bastante mais seco do que é habitual e estas condições mantiveram-se nos meses que se seguiram. Na realidade, o despertar das vinhas, na Primavera (que se mantêm com um metabolismo minímo durante todo o inverno), ocorreu em condições de tempo seco, com muito pouca chuva.

    Em Março, os níveis de precipitação foram cerca de metade do que é habitual e em Abril quase não houve registo de chuva (de facto, o mês de Abril foi o mais seco desde que existem registos, desde 1931, em que os níveis de precipitação foram inferiores entre 72 a 96% aos valores normais), mas agora também com um aumento considerável das temperaturas médias logo a partir do mês de Fevereiro e com ondas de calor nos meses de Abril, Maio e Junho. De referir que em Maio se registou alguma instabilidade meteorológica, aguaceiros e trovoadas, que coincidiu com a fase da floração(2) da videira.

    O início do Verão continuou com temperaturas muito altas e com vários dias seguidos de muito calor. O mês de Junho foi seco, com muito calor a partir de meados do mêse com temperaturas de cerca de 40ºC no Peso da Régua, Pinhão, São João da Pesqueira e Vila Nova de Foz Côa. Em Julho registaram-se chuvas fortes e queda de granizo, que provocou estragos localizados nas vinhas em Sabrosa, Alijó, Mesão Frio, Vila Real, Santa Marta de Penaguião e Vila Pouca de Aguiar. Uma tempestade de Verão em que o mau tempo provocou bastantes estragos nas vinhas, com algumas perdas consideráveis nos locais mais atingidos.

    Ás condições gerais de ausência de água e calor, que se mantiveram, acrescente-se ainda os níveis de radiação bastante altos.
    Por outro lado, no capítulo das doenças da vinha, o lado positivo das condições climatéricas descritas até agora, foi o de não favorecerem a ocorrência de doenças na vinha (principalmente o oídio e o míldio), com muito fraca incidência ou mesmo vinhas sem doenças e com uvas sãs.

    Consideremos agora a vinha, houve um défice hídrico logo no início do ciclo vegetativo e stress hídrico durante toda a Primavera e depois até uma situação de défice hídrico (térmico e luminoso) severo em meados de Agosto, que se prolongou até à vindima. Claro que, nestas situações, é muito importante considerar a localização das vinhas, uma vez que as vinhas que se localizam em parcelas ou terrenos mais secos (nas sub-regiões do Cima Corgo e Douro Superior), em cotas mais baixas ou mais expostas à radiação, ou ainda as vinhas mais jovens, passaram por uma situação mais crítica e sofreram mais intensamente.

    Estas condições tiveram como consequência, um avanço de todas as fases do ciclo vegetativo da vinha, assim, o abrolhamento(1) ocorreu na primeira quinzena de Março, a floração(2), inicou-se em finais de Abril e até final de Maio, com a formação dos cachos já visível no final de Maio, o "pintor"(3) iniciou-se em finais de Junho.

    A continuação do tempo quente durante o período da maturação provocou um avanço no ciclo vegetativo da vinha, um rápido amadurecimento das uvas, um acelerado aumento da concentração de açúcar em pouco tempo e mesmo a desidratação dos cachos (com um aumento da percentagem dos bagos secos e desidratados), o que levou à decisão tomada por muitos produtores de antecipar a vindima em cerca de 3 semanas para o que é habitual na região, uma das vindimas mais precoces em muitos anos.

    Do início de Agosto até meados do mês, a vindima das uvas brancas, as primeiras a ser vindimadas.
    O tempo continuou extremamente seco e com temperaturas altas durante todo o tempo das vindimas, sem registo de precipitação, na realidade, o mês de Setembro foi o mais seco dos últimos 87 anos. A área de seca severa e extrema foi alargada.

    Em meados de Setembro até ao fina da terceira semana, a vindima estava praticamente concluída em muitas Quintas. Quase que se poderia dizer que as vindimas estavam terminadas na data em que habitualmente estariam a começar.

    De assinalar também, os diferentes graus de maturação dos cachos e das uvas, de parcela para parcela e de vinha para vinha, o que obrigou a mais trabalho e a mais pormenor na apanha da uva e a tomar decisões, sempre que possível, de acordo com os níveis de maturação e as parcelas a vindimar.

    Houve uma redução geral da produção, nas três sub-regiões do Douro em relação à vindima de 2016, de aproximadamente 21% no Baixo Corgo, 27% no Cima Corgo e cerca de 49% no Douro Superior. Importante ainda, a relação Kg/L que é menor em cerca de 20% do que os valores normais.

    Por último, em termos gerais, a antecipação da vindima deu origem a mostos com graduações alcoólicas muito altas, de muito boa qualidade, com bons indícios de côr, estrutura e concentração.

Notas:
(1) O abrolhamento: marca o início do ciclo vegetativo da videira, com o aparecimento dos rebentos.
(2) A floração: é um período que dura cerca de semana e meia, importante e crítico para a definição da colheita, uma vez que, se houver chuva neste período, as flores podem cair ou o polén pode ser lavado dos estames e das flores, não se dá a fecundação e a flôr não vinga em fruto (desavinho) e a colheita é afectada.
(3) O "pintor": marca o inicio da maturação em que as uvas começam a mudar de côr. Côr tinta nas películas dos bagos tintos e a película translúcida nas castas brancas.




©HSM